Investigações mais recentes mostram que a concentração de ozônio, apesar da recuperação nos polos, não demonstra recuperação nas zonas próximas ao Equador, justamente onde o sol é mais forte e está concentrada a maior fatia da população mundial, representando perigos para a saúde, nomeadamente o risco de câncer de pele.

A conclusão é de uma nova avaliação científica de uma equipe internacional de investigadores, que publicou o resultado da investigação na revista European Geosciences Union Journal Amospheric Chemistry and Physics, no último dia 6 de fevereiro. De acordo com Joanna Haigh, investigadora no Instituto Grantham para as Alterações Climáticas e de Ambiente do Imperial College, de Londres, “apesar de o Protocolo de Montreal (tratado de 1987 que determinou a progressiva proibição de produtos que destroem o ozônio na estratosfera, como os clorofluorcarbonetos (CFC) e os halons) ter conseguido conquistar o que pretendíamos nas zonas polares, onde a rarefação é mais expressiva, existem outros fenômenos que não compreendemos”.

No entanto, pesquisadores trabalham com a hipótese de que a explicação está no fato de o ozônio também poder ser gerado por atividades humanas na troposfera (abaixo dos 15 quilômetros de altitude) , o que pode ter encoberto as medições feitas por satélite durante os últimos anos.

As alterações climáticas são uma das explicações mais prováveis para este cenário, já que alteram o padrão de circulação atmosférica, movendo o ar dos trópicos mais rapidamente para os polos, dificultando a criação de ozônio. Outra possibilidade é a utilização de substâncias usadas em solventes, decapantes, desengordurantes e até em substitutos de determinados gases – especialmente compostos sintetizados industrialmente contendo cloro e bromo. Apesar de preocupante, o cenário não é alarmante, uma vez que a concentração é substancialmente inferior à produzida com a utilização de produtos químicos em aerossóis, fluidos refrigerantes e extintores, antes do Protocolo de Montreal.

Por:Admin Nova Tecnica

Comentários