Unidades de tratamento do ar com rodas entálpicas e ventiladores plenum fan e motores EC

O presidente do DNPC Abrava, Mário Sérgio de Almeida, recomenda a leitura do Humidity Control Design Guide, da ASHRAE, que, no capítulo 10, Procedimentos de projeto, estabelece as recomendações que o projetista de AVAC deve adotar para obter um projeto para controle de umidade.

Definir o propósito do projeto – Qualquer projeto deve começar com uma compreensão clara do propósito do proprietário. O projetista de AVAC precisa dessa compreensão para tomar decisões que equilibrem a precisão da umidade com o custo. Por exemplo, se o objetivo do projeto é manter os funcionários confortáveis em um escritório, o projetista pode confiar na pesquisa de conforto humano para definir níveis de controle e tolerâncias que a maioria dos ocupantes considerará aceitável. A tolerância humana à variação de umidade é bastante ampla, e as expectativas dos ocupantes mudam naturalmente com a mudança das estações. Tal sistema pode ser bastante simples e econômico. Por outro lado, se o objetivo do projeto é fornecer um nível consistente de umidade para pesquisa médica, o proprietário pode ter diferentes necessidades para cada projeto de pesquisa. O sistema que proporciona um controle de humidade individual ao nível do ambiente será provavelmente complexo e dispendioso.

Definir o nível de controle de umidade e tolerâncias – O sistema AVAC por si só não pode manter os trabalhadores de escritório satisfeitos, nem prevenir danos causados por mofo e bolor nos edifícios. Tais objetivos são alcançados somente quando todos os elementos da construção, operação, ocupação e uso do edifício são controlados em harmonia. O sistema AVAC apenas mantém a temperatura, a umidade e a pressão do ar no prédio dentro de faixas definidas com base em valores definidos. Assim, após o objetivo do projeto ser entendido, o proprietário e o projetista de AVAC devem concordar sobre qual faixa de umidade e tolerância melhor ajudarão o proprietário a alcançar os resultados desejados.

Calcular as cargas de pico de umidade – Calcular as cargas de umidade é tanto mais fácil quanto mais difícil do que calcular as cargas de refrigeração: mais fácil porque as equações são muito simples, mas mais difíceis porque o projetista precisa julgar quais números inserir nessas equações simples. Há dois aspectos críticos dos cálculos de carga de umidade que não são óbvios, mesmo para as pessoas que são especialistas em outros aspectos do projeto de AVAC. Primeiro, a condição extrema do projeto deve ser baseada na umidade e não na temperatura. Em segundo lugar, o projetista deve aplicar muito mais julgamento aos cálculos de carga de umidade do que no caso dos cálculos de carga de refrigeração. Os dados e a pesquisa foram mais concentrados em temperatura do que em umidade, assim, há muito mais desconhecidos que afetam cargas de umidade do que contra muito menos incógnitas para cargas de refrigeração.

Selecionar, dimensionar e locar equipamentos – Independentemente do tipo de equipamento selecionado, seu tamanho ou sua locação, um projetista prudente examina seu desempenho em condições diferentes de carga de pico antes de finalizar qualquer uma dessas decisões. Um equipamento que parece ótimo na carga de pico pode ser visto como uma decisão ruim quando examinado em condições de carga parcial. Portanto atenção especial deve ser dada antes de definir a compra do equipamento com a verificação de sua operacionalidade em diversos regimes de operação.

Selecionar e locar sensores e controles – Devido às limitações de custo, a colocação de sensores de umidade pode se tornar muito importante em edifícios comerciais. Para minimizar o custo, os sensores geralmente medem a umidade relativa em vez do ponto de orvalho, independentemente de qual parâmetro realmente controla o projeto. Consequentemente, as mudanças de temperatura afetam a leitura da umidade relativa, o que torna a “geografia” do posicionamento do sensor importante. A seleção e principalmente a posição dos sensores podem comprometer o projeto com sinais enviados ao controlador que não expressa a real condição do ambiente (sensor sob influência de raios solares, perto de porta de acesso externo, junto a máquinas com emissão de vapor).

Veja também:

Válvulas e controles

Para cada aplicação uma faixa de tolerância no controle de umidade

PMOC é ferramenta para cumprir os requisitos para a qualidade do ar

Controle de umidade e a qualidade dos ambientes internos

Conforto térmico está atrelado ao controle simultâneo de temperatura e umidade

Tags:, , , , ,

Comentários