O Prof. Dr. Antonio Luís de Campos Mariani, da Escola Politécnica da USP e coordenador do Laboratório de Estudos da Qualidade do Ar Interior (LEQAI) faz algumas recomendações:

1.Estabelecer claramente as premissas e hipóteses consideradas para elaboração do projeto. Explicar ao cliente, ou ao responsável pelas informações para o estabelecimento das premissas, sobre a importância delas; documentar esta etapa prévia do projeto.

  1. Não considerar apenas uma fonte de poluente para realizar o dimensionamento.
  2. Utilizar referências de normas e bibliográficas que sejam de ampla abrangência.
  3. Considerar que, conforme trabalhos científicos publicados e resultados de medições experimentais, os poluentes não se comportam de modo similar, padronizado; ou seja, tomar cuidado para não considerar que estabelecendo dimensionamento para o controle de um deles, os outros estão atendidos, controlados. É usual considerar apenas o CO2 como indicador e a partir dele determinar valores para vazões de ar externo supondo que os outros poluentes estão resolvidos. Isto pode ser um erro importante. A ASHRAE, na evolução da sua norma técnica (Standard 62.1) relacionada Ventilação para atender a Qualidade do Ar Interior, ou seja, uma norma de referência para definir a vazão de ar, deixou de considerar o CO2 como indicador de poluentes nas versões que publicou a partir do ano 2000.
  4. Nosso grupo de pesquisa, o Laboratório de Estudos da Qualidade do Ar Interno (LEQAI), do Departamento de Engenharia Mecânica da Escola Politécnica da USP, tem realizado há vários anos medições para avaliar o comportamento de parâmetros. Em publicações recentes, comprovamos com medições experimentais que não existe correlação direta entre o comportamento dos efeitos da diluição realizado pela vazão do ar externo em diferentes tipos de poluentes. Por exemplo: experimentos mostram que uma vazão de ar externo filtrado produz determinada taxa de decaimento em concentrações de CO2 no ambiente, e outras taxas de decaimento para os particulados em suspensão.
  5. Recomenda-se utilizar medições de diferentes parâmetros relacionados a diferentes poluentes para caracterizar a qualidade do ar de um ambiente e para dimensionar sob demanda a vazão de ar externo. No Brasil há empresas empreendendo e produzindo equipamentos e sistemas de monitoração que permitem acompanhar em tempo real vários parâmetros relacionados a um ambiente interno, transmitindo pela internet para usuários e gestores. Temos testado estes tipos de equipamentos e sistemas, comprovando que são ótima solução; o que pensávamos para o futuro está acontecendo hoje. O LEQAI em parceria com a OMNI Eletrônica instalou um equipamento de medição em uma sala de aula do Departamento de Engenharia Mecânica da POLI-USP o que possibilita transmitir em tempo real dados de medição 24 horas por dia.

Veja também:

Dimensionamento corretamente os sistemas de tratamento do ar

Tags:, , ,

Comentários