No último 7 de março, véspera do Dia Internacional das Mulheres, a Abrava, em conjunto com a Fatec Itaquera, realizou um evento comemorativo, apoiado numa pauta essencialmente técnica e de gestão. A ocasião foi palco para o lançamento oficial do Comitê de Mulheres da Abrava, presidido por Priscila Baioco, gerente nacional de vendas da Armacell e mentoria da professora Anna Cristina B. Dias de Carvalho, diretora da unidade educacional. Dezenas de mulheres, mas também de profissionais do gênero masculino, acompanharam atentamente as palestras.

Apresentando os objetivos do Comitê, Anna Cristina e Priscila Baioco, enfatizaram o caráter prático do novo organismo. Gestão e operação, como incentivo ao empreendedorismo, é o foco principal. Obviamente sem deixar de lado o esforço pela inovação a partir de práticas sustentáveis. Tais objetivos serão perseguidos, segundo as organizadoras, através de eventos e treinamentos que despertem o espírito empreendedor das profissionais, levando-as a descortinarem novas oportunidades de negócios. Paralelamente, a sensibilização das empresas para a importância da redução constante da desigualdade de gênero.

Em consonância com os objetivos estabelecidos, a primeira palestra do evento versou sobre as boas práticas em refrigeração e climatização. Jossineide Oliveira e Silva Viana, docente do curso de refrigeração e climatização do Senai Rondônia, com graduação em serviço social, mostrou a importância das boas práticas, principalmente para as profissionais do AVAC-R. Dentre as várias razões, elas visam zerar retrabalho, conferindo maior credibilidade a quem os executa. A professora do Senai enfatizou muito a questão ambiental, particularmente nas boas práticas de junção dos tubos condutores de fluidos e na prática de recolhimento e reciclagem dos refrigerantes. Prática e objetiva, a palestra foi acompanhada vivamente pelos presentes.

O tema da advogada Marina Nicolosi foi “Inteligência Emocional Rumo ao 4.0”. Definindo inteligência emocional pelo oposto de se deixar levar pelas emoções, enfatizou a necessidade de auto controle nas relações profissionais. Destacou as qualidades de uma liderança, como empatia, as habilidades sociais, o controle sobre os impulsos, o exercício da autoestima, além de flexibilidade, assertividade e responsabilidade social.

Engajamento das empresas

Thais Nakamura e Daniela Rocha, ambas da Johnson Controls Hitachi, começaram em 2019 a levantar a necessidade de trabalhar mais a capacitação das mulheres no mercado de AVAC que, segundo Nakamura, é ainda muito masculino. “A gente vê que existe esta dificuldade e queremos nos aproximar cada vez mais desse grupo. E para isso contamos com o apoio do Gilsomar (Silva), que foi um dos maiores incentivadores, e começamos a fazer planos para este ano diz Nakamura. “Foi inovador, surgiu a conversa dentro da empresa de porquê não começar a falar mais de mulheres num meio que é tão masculino. Eu lido muito com as áreas de credenciamento, instaladores, treinamento, e percebo a necessidade de incluir mulheres. Dentro da empresa houve boa resposta das mulheres, é desafiador, mas o mercado está mudando”, completa Daniela Rocha.

Thaís Nakamura e Daniela Rocha, JCI Hitachi

Michele Vieira Tobias é profissional da área de marketing da Midea Carrier e tem abraçado a causa dentro da empresa. “Nossa proposta não é só promover a marca e ações de marketing dentro do evento. A gente quer proporcionar conhecimento técnico para estas profissionais, queremos que elas se aprimorem para multiplicar o conhecimento dentro das empresas em que estão inseridas.”

Michele Vieira Tobias e Luciene de Araújo, Midea Carrier

No mesmo sentido posiciona-se Flávia Rodrigues, responsável pelo marketing da Paranapanema, que detém as marcas Eluma e Caraíba. “A Paranapanema desde o ano passado está atuando fortemente pela equidade de gênero, demos início à carta de março que estabelece 8 compromissos dentro da empresa para trabalhar a equidade, segurança, o respeito, apoio à maternidade, dentre outros temas importantes para a mulher e o mercado de trabalho. Compromissos assumidos desde a alta direção e propagados por todos os níveis da corporação, fazendo com que isto esteja cada vez mais presente no DNA da nossa marca e da nossa empresa.”

Marina Bolognesi, é consultora de vendas de produtos de automação na Emerson. Além disso, é líder do programa Women in STEM, que visa atrair, desenvolver e reter as melhores mulheres das áreas STEM, que são as de ciências, tecnologias, engenharia e matemática. “A Emerson apoia eventos feste tipo porque vê que a diversidade atrai muitas ideias, o que é muito importante para os negócios. Ela compreende que pode melhorar com a equidade de gênero e com a diversidade no ambiente de trabalho. O Women in STEM é um projeto mundial da Emerson, e visa levar as mulheres para cargos de liderança na companhia.”

Marina Bolognesi, Marcos Almeida e Tamiris Tayla, da Emerson

A pedagoga Natália Tinti Ramos, da Fapro, atua tanto na Faculdade Profissional, quanto na Escola Técnica Profissional. “Estamos felizes por participar deste evento. Como instituição de ensino, com cursos no país inteiro, acreditamos na formação de mulheres que estejam preparadas para atuar nas áreas de refrigeração, ar-condicionado, ventilação e aquecimento. Por isto achamos importante divulgar este evento e estarmos aqui incentivando as mulheres a participarem, estudarem, se empoderarem e crescerem juntas nesta profissão.”

A equipe da Fapro

Raoni Thomaz, coordenador de marketing da Bitzer, acredita que o movimento das mulheres do AVAC-R é uma coisa muito importante que está vindo à tona. “Nós não enxergávamos, infelizmente, e agora estamos enxergando, mulheres trabalhando na parte técnica, na parte de engenharia, focávamos mais na área administrativa. Mas não mulheres na engenharia, na instalação de ar-condicionado e refrigeração. A Bitzer está apoiando esta causa, estamos juntos com este grupo de mulheres e o que pudermos fazer para que este movimento cresça, nós faremos.”

Raoni Thomaz e Anderson Silva, da Bitzer

Empreendedorismo feminino

Leylla Lisboa, vice-diretora da Abrava em Minas Gerais, diz que correu muito atrás e informação quando entrou na refrigeração. “Tive muita dificuldade. Quando comecei a participar deste movimento, percebi que não era só eu que tinha dificuldade, que outras mulheres também tinham. Foi quando eu vi que o Comitê (de Mulheres) poderia realmente participar do treinamento e capacitação dessas mulheres e mostrar, pela experiência das próprias mulheres da área, que se elas montarem um negócio, existe um tempo para ter retorno.”

“Se elas forem vender um produto, precisam conhecer aquele produto; se elas forem executar, precisam conhecer o passo a passo e a importância daquilo; então, não é simplesmente pegar e pendurar um ar-condicionado, é saber a importância de pendurar aquele ar-condicionado, qual a lógica de funcionamento e realmente ter o conhecimento do que ela está fazendo. Porque, quando ela tem o conhecimento, a gestão dela sobre o negócio é totalmente diferente. Fiz todos os treinamentos com alguns fabricantes. Eu vim a São Paulo e fiquei 17 dias fazendo treinamento, o que é complicado quando se tem uma empresa. Mas isso me deu uma bagagem tão grande que, quando retornei a Minas, me sentia tão segura em falar dos sistemas, em defender a ideia do ar-condicionado, por estar capacitada. Quando apareceu a ideia do Comitê, percebi que poderia proporcionar às meninas o mesmo que eu tive, em treinamento e capacitação, que é o que vai fazer com que elas sejam bem-sucedidas tanto na parte de gestão, quanto no comercial e na execução”, afirma Lisboa

Para a vice-diretora da Abrava em MG, a grande importância do Comitê de Mulheres é fornecer às “meninas”, como ela diz, ferramentas de trabalho. Com quatro anos de mercado, ela afirma que “estar envolvida neste meio é algo que gosto muito, jamais tive problema no mercado.”

Para ter uma ideia da evolução de Leylla Lisboa, em 2018, quando participou pela primeira vez de uma atividade de mulheres do AVAC-R, sua empresa tinha 10 funcionários, hoje, possui 17. “A empresa está crescendo muito rápido porque eu gosto de ler, de conhecer. Hoje meu principal foco é o VRF, mas atuo também com manutenção de chiller, assim como atuo com split e multisplit, e a cada dia eu tento ler mais, e se vejo um equipamento novo procuro me informar, ler a respeito, ligo para as pessoas e pergunto. O mercado me recebeu muito bem. Nunca tive problema com uma pessoa sequer. Sempre debati com os homens de igual para igual e sempre me respeitaram. Porque sempre tive embasamento do que estava falando. E este respeito do público, do mercado, dos meus colegas, para mim é muito bom. Quando fui convidada para ser a vice-diretora da Abrava em Minas, só me deu certeza que estava fazendo a coisa certa. Eu gostaria que todas as meninas tivessem a mesma oportunidade de entender e acreditar no negócio e construírem verdadeiras empresas no mercado de AVAC-R”, finaliza.

O II Encontro de Mulheres do Setor de AVAC-R, promovido pela Abrava, teve o patrocínio da Bitzer, Eluma, Fapro, Johnson Controls Hitachi, Midea Carrier e Star Center; assim como o co-patrocínio de Armacell, Daikin, Danfoss, Emerson, Febrava, Full Gauge e RAC Brasil. A primeira reunião do Comitê de Mulheres da Abrava está agendado para 7 de abril, na sede da Associação, em São Paulo e poderá ser acompanhado à distância.

 

Tags:, ,

Comentários