Arquitetura
Materiais auxiliam no desempenho das fachadas
Combinar as superfícies opacas e transparentes maximiza conforto e eficiência
postado em: 23/07/2015 16:51 h atualizado em: 28/07/2015 11:26 h

A fachada é a interface entre os ambientes interno e externo. É o filtro de entrada de luz e calor. A boa especificação de fachadas é avaliada pelo seu desempenho quanto ao envelopamento do edifício, medido através de sua eficiência em relação ao consumo de energia para resfriamento do ar, para iluminação do edifício e o conforto para os ocupantes. Deve-se levar em consideração, segundo Cláudia Mitne, diretora de Marketing e Produtos da GlassecViracon, os custos de investimento do capital e os custos de operação deste edifício e compará-los com as tipologias de fachadas e vidros a serem empregados.

Para Anderson Ortiz, coordenador de Produtos Brasil da Isoeste, o principal item a ser observado é quanto maior a espessura do construtivo isotérmico, maior é o isolamento térmico proporcionado, o que atinge a necessidade de um equipamento de climatização com menor potência, e, consequentemente, gera economia de energia elétrica pelo menor consumo. Não somente pela menor potência, mas pelo menor tempo de uso do equipamento.

Combinando superfícies opacas e transparentes

"Essa combinação deve ser feita a partir de um estudo climático do local, avaliando a quantidade e localização dos raios solares recebidos por cada fachada. Isso define o tamanho e a localização das janelas na edificação e como protegê-las, em função da economia nos sistemas de iluminação e condicionamento de ar", diz Larmartiny Gomes - gerente de Produtos Residenciais da Guardian. Segundo Ortiz, fachadas com entrada de luz natural são interessantes para gerar um melhor conforto. "Mas, é necessário à utilização de elementos transparentes que evitem ao máximo a entrada de calor dentro dos ambientes, como dômus de iluminação com placas duplas e com ar confinado e esquadrias com vidros duplos. Além da utilização de cores claras nas fachadas (e cobertura) para que haja refletividade dos raios solares, diminuindo a carga térmica dentro dos edifícios", diz o coordenador da Isoeste.

Para Remy Dufrayer, gerente de Desenvolvimento de Mercado da Cebrace, normalmente a área da fachada que recobre a laje, embora seja revestida pelo mesmo vidro que compõe toda a fachada, é uma área opaca. O equilíbrio entre a área transparente e opaca pode ser definido através de alguns parâmetros principais, como questões estéticas, aproveitamento da chapa de vidro e perfil de alumínio, pé direito da obra e resultados de simulações energéticas.

A especificação está diretamente ligada ao projeto de arquitetura, às necessidades e às prioridades do escopo do projeto. "Inicialmente, consideramos o desejo de incorporador para o negócio, definindo o escopo e tipologia de sua obra, inovação, eficiência e certificação; depois o contato é feito com o arquiteto, quando é definido o conceito do projeto e seu design. Em paralelo, há outras disciplinas interligadas ao projeto, consultorias de fachadas, de certificação, simulação energética, entre outros. Desta forma, devemos entender o conjunto para atender ao máximo as demandas, buscando sempre o melhor desempenho. A tendência para grandes projetos atualmente são os vidros de alto desempenho em eficiência energética, atenuação acústica e segurança, aliados a um design diferenciado. Os produtos de alto desempenho mais utilizados são os vidros laminados e os vidros duplo insulados de controle solar", diz Cláudia.

"O uso do vidro como fechamento e revestimento em fachadas no Brasil é uma solução que vem aumentando significativamente na última década. Esse crescimento é justificado, em parte, pelo avanço tecnológico da indústria vidreira no país e também pelas vantagens econômicas proporcionadas por esse sistema", explica Gomes.

Fachadas ventiladas

A fachada ventilada é um sistema de revestimento dos fechamentos que deixa uma câmara ventilada entre o revestimento e o isolamento. Segundo Fernan Santamaria, responsável I+D, da ULMA Architectural Solutions, nos círculos acadêmicos europeus esse sistema é considerado o mais eficaz para solucionar o isolamento do edifício, eliminando as indesejáveis pontes térmicas (alteração da resistência térmica na fachada), assim como os problemas de condensação, obtendo deste modo um excelente comportamento térmico-higrométrico do edifício. "Com este sistema é possível conseguir um isolamento contínuo pelo exterior do edifício, protegendo a parede interior assim como os cantos das lajes. Na câmara ventilada, devido ao aquecimento da camada de ar do espaço intermediário relativo ao ar ambiente, verifica-se o chamado efeito estufa que gera uma ventilação contínua na câmara. Dimensionando adequadamente a entrada e a saída do ar, consegue-se uma evacuação constante do vapor de água proveniente tanto do interior como do exterior do edifício, mantendo-se o isolamento seco e obtendo-se um melhor rendimento deste, e uma grande economia no consumo energético. A fachada ventilada, além de produzir efeitos na economia em consumo energético do edifício, elimina as radiações diretas ou as inclemências meteorológicas sobre os muros e lajes, protegendo-os contra as patologias que afetam os edifícios construídos seguindo sistemas tradicionais", explica Santamaria.

O mercado

Hoje, o mercado oferece centenas de materiais que ajudam no conforto térmico e na economia de energia, além disso, as empresas estão capacitando seus profissionais para melhor atender ao mercado. A Dânica, especializada em sistemas termoisolantes, apresenta ao mercado painéis de fachada disponíveis em diversas espessuras de núcleo termoisolante, proporcionando ao projeto uma perfeita solução em termos estruturais e de isolamento térmico, aumentando o ganho energético. O tipo de isolamento térmico dos painéis de fachada é um importante fator para melhorar o desempenho energético. A Dânica conta com um vasto número de núcleos termoisolantes, desde a lã de rocha, passando pelo poliisocianurato (PIR) e pelo poliuretano (PUR), chegando ao poliestireno expandido (EPS). Ela oferece também soluções específicas de engenharia, resolvendo, assim, as interfaces entre painéis termoisolantes e outros elementos de fachada, como brises, caixilhos e peles de vidro. "O partido arquitetônico da fachada pode combinar painéis multicolor (chapas de aço pré-pintadas com variado leque de opções) com superfícies em micro-rib que conferem um interessante efeito de luz/sombra à fachada. O projeto deve contemplar a harmonia arquitetônica entre estes elementos, visando alcançar o melhor resultado estético com relação custo-benefício atraente", explica Tadeu Gonsalez, diretor Comercial da Dânica Região Sudeste.

Monagem de painéis em estrutura metálica, da Dânica

Especializada em construtivos isotérmicos, a Isoeste oferece os painéis de fechamento Isofachada, constituídos de núcleos em PUR (poliuretano) ou PIR (poliisocianuratoo) e revestidos por placas de aço pré-pintadas, possuem acabamento arquitetônico proporcionado pelo sistema de encaixes Isojoint®, tornando invisível a fixação dos painéis nas fachadas. "Produzido num ambiente controlado com equipamentos de última geração, o produto final é caracterizado por um acabamento constante. Como é um sistema industrializado, contribui para a otimização de tempo de montagem, como também na organização e limpeza do canteiro de obras. Toda linha é produzida sob demanda de projeto, como medidas específicas para não ocorrerem desperdícios, diminuindo o trabalho no site da obra, fazendo com que o processo de montagem seja muito mais rápido e limpo. Além de não necessitar água alguma para a sua fabricação e montagem no local. Estamos com um produto inédito, o Isofachada Texturizado, em que as chapas de aço pré-pintadas são lisas e com texturas de madeira, mármore e granito", diz Ortiz.

Montagem de painéis, da Isoeste

"A GlassecViracon tem uma equipe técnica bem treinada, antenada com as novidades e tendências em produtos, trabalhando no sentido de levar conhecimento sobre vidros ao mercado, especificando as melhores soluções em vidros arquitetônicos. Atuamos em toda a cadeia, do incorporador ao arquiteto, consultores e construtor. Nossa especialidade é transformar vidros em soluções ideais para eficiência energética", comenta Cláudia.

LC Corporate, vidros da GlassecViracon

Com mais de 40 anos de mercado, a Cebrace possui uma linha de produtos de proteção solar com uma grande abrangência de cor e performance. "Estamos atuando com esses produtos desde 1996 e possuímos mais de 9 milhões de m² instalados. Nossos produtos possuem índices de seletividade (balanço de luz e de calor) elevada. Essa linha é composta pelo Reflecta Float (um vidro de proteção solar), Cool Lite S (produto com excelente performance térmica), Cool Lite K (produto de alta seletividade que prioriza a luz, não esquecendo da proteção solar) e, por fim, o Cool Lite SK (produto de altíssima seletividade e excelente performance térmica)", explica Dufrayer.

A empresa americana Guardian oferece em seu portfólio a linha de vidros refletivos SunGuard, que consegue filtrar os raios ultravioletas e infravermelhos, reduzindo a entrada de calor solar, contribuindo, assim, para o controle da temperatura e também da luminosidade do ambiente, minimizando o consumo de energia elétrica pelos equipamentos de ar condicionado e sistemas de iluminação artificial. "Com aplicação simples e direta, como ocorre com qualquer outro tipo de vidro, o SunGuard pode ser utilizado em sacadas, varandas, portas, janelas, entre outras possibilidades. Dependendo da aplicação, pode ser temperado, laminado ou até mesmo insulado, ou seja, combinar dois tipos de vidro, o que proporcionará um melhor isolamento térmico. Estimamos que a economia de energia possa ser, em média, de 35 kWh por m² de janela", diz Gomes.

A Ulma Architectural Solutions oferece ao mercado soluções pré-fabricadas de fachadas ventiladas em concreto polímero. É um material composto por uma combinação de agregados pétreos; uma mistura controlada através de protocolos rigorosos de qualidade. Além disso, o material permite uma grande variedade de dimensões, cores e texturas, contribuindo para soluções totalmente personalizadas.

Escritório Essential Composition, em Gandia, na Espanha. Fachadas da Ulma  

"A fachada ventilada é um sistema que ajuda no isolamento do edifício, criando conforto dentro do ambiente e minimizando o consumo de energia. O nosso sistema atende aos requisitos de sustentabilidade. Ao aplicar a certificação v3 Leed, o sistema de fachadas da ULMA pode contribuir com até 32 pontos", explica Santamaria.

Por Charles Godini <charles@nteditorial.com.br>

Compartilhe essa matéria !
Deixe seu Comentário !


Seu nome:
 
Seu e-mail:
 
Mensagem:




Comentários