Perfil
Sem medo de ousar
Sessenta anos de trabalho ininterrupto para o avanço do ar condicionado
postado em: 24/03/2016 15:15 h atualizado em: 24/03/2016 15:56 h
Ravindra Tailor
(crédito: Nova Técnica Editorial)

Ravindra Tailor. Seu primeiro nome significa Deus do Sol. Nasceu em 13 de agosto de 1933, em Gandevi, na Índia, em uma cidade com aproximadamente 18 mil habitantes. Possui três irmãos e uma irmã. Tailor é o mais velho. Um irmão, engenheiro aposentado, mora em Chicago (EUA); outro mora em Londres, na Inglaterra; sua irmã, comerciante, mora em Kisii, no Quênia; seu irmão mais novo mora em Miami (EUA). Seus pais eram costureiros. Aos sete anos ajudava sua mãe no serviço de acabamento das costuras. "Minha mãe sempre me dizia para estudar em uma Universidade, somente dessa forma iríamos conseguir sair da miséria que tanto nos atormentava. Nem chinelo para ir à escola eu tinha. Esse pedido de minha mãe sempre me incentivou muito. Sempre fui um brilhante aluno", diz Tailor. Em 1950, aos 17 anos passou no vestibular e, segundo ele, escolheu um curso que fosse a base para qualquer outra área, neste caso Física e Matemática. Estudou na Universidade de Baroda, na cidade de Baroda (Índia). 

Visita ao Taj Mahal, em Nova Délhi, Índia

Em 1953, aos 20 anos, resolveu estudar medicina ou engenharia na Inglaterra. Sua mãe conseguiu dinheiro emprestado para sua viagem. Saiu de Mumbai, na Índia, em um navio misto de cargas com mais onze passageiros em direção a Liverpool, na Inglaterra. A viagem durou 31 dias. "Fiz amizade com os oficiais do navio ajudando-os com as tarefas do dia a dia. Eu precisava trabalhar para poder estudar. Tinha apenas o equivalente a US$ 400,00", conta.

Em Londres, seu diploma foi aceito pela universidade, mas não havia previsão para uma vaga. Para não perder tempo foi para a Alemanha. "Deus me ajudou, pois consegui um lugar para morar na casa de uma família. Na mesma semana fui à Universidade de Stuttgart", diz.

Aperfeiçoou o domínio do idioma alemão enquanto cursava a faculdade na Alemanha. Conseguiu na própria universidade, no Instituto de Aerodinâmica, um trabalho de pesquisa. Na Alemanha, para estudar engenharia é obrigatório um ano de estágio antes de entrar, no mínimo 26 semanas. Assim, quando o aluno entrar para a universidade terá noção do que será apresentado. Ele não entrará sem entender nada. Terá uma boa bagagem. É importante aprender a trabalhar com todas as máquinas básicas. Depois fica mais quatro semanas na fundição. Em seguida poderá entrar na universidade. Segundo Tailor, a Alemanha e a Suíça dão muito valor aos aprendizes. Após terminar a primeira parte do estágio, trabalhou, durante seis meses, no almoxarifado de uma fábrica, a Fritz Roth KG. "Precisava juntar dinheiro e aprender alemão. Em setembro de 1954 comecei a estudar engenharia e em janeiro de 1959 terminei o curso de engenharia aeronáutica, aos 26 anos", explica.

"Mesmo estudando nunca deixei de mandar dinheiro para minha mãe. Com ele ajudou todos os meus irmãos a estudar. Era uma grande mulher. Pouco tempo depois que meu pai (Chhaganlal Tailor) morreu, minha mãe (Narbadaben Tailor) faleceu, aos 91 anos. Ela me ensinou a ler as minhas mãos e acredito que irei viver, firmemente, por 100 anos", assegura.

Em 1960, após terminar os estudos, casou-se com Anna Elisabeth, uma cidadã suíça, formada em contabilidade. Tiveram um casal de filhos, Indira e Suresh. Possui um neto de onze anos, Elias Jonas. Após 31 anos de casado, se tornou cidadão suíço. "A Índia não aceita a dupla cidadania e eu tive que devolver o passaporte indiano. Agora, cada vez que viajo para a Índia, preciso de visto". Em 1961 foram morar, ele e sua esposa, em Winterthur, na Suíça.

Tailor fala cinco idiomas: inglês, alemão, português, híndi (língua indo-ariana derivada do sânscrito)) e gujarati (língua indo-ariana). Nunca frequentou escolas de idiomas. Aprendeu inglês na Índia, lendo jornais, revistas e assistindo filmes no cinema. Em três meses estava se comunicando facilmente.

Atualmente, Ravindra Tailor divide o tempo morando em Divinópolis, interior de Minas Gerais e São Bernardo do Campo (SP). 

Vida profissional

Em 1960 terminou o trabalho no Instituto de Aerodinâmica e em 1961 fez o levantamento de dados práticos de voo e comparação com dados teóricos dos helicópteros no Instituto Alemão de Pesquisa para Helicópteros e Técnica de Voo Vertical, em Stuttgart, na Alemanha. Percebeu que o emprego era muito limitado e dependia sempre da necessidade do governo para aquisição de helicóptero ou avião. Nesse período a Alemanha estava impedida de produzir produtos bélicos. Decidiu trabalhar num ramo que sempre ofereceu oportunidades de trabalho em qualquer lugar do mundo, "tratamento de ar e movimento de ar e água".

De 1961 a 1966 trabalhou na empresa Gebrüder Sulzer AG, especializada em hightech, no departamento AVAC, na divisão de pesquisa. "Tenho vasta experiência em laboratório e tinha a oportunidade de analisar profundamente o funcionamento do equipamento ou da instalação em si, o que me ajudou a resolver muitos problemas técnicos das instalações de AVAC na Europa", explica.

Entre os anos de 1967 e 1968 trabalhou no grupo de projetos e instalações em AVAC, também da Sulzer. Saiu da Sulzer e, em 1968, foi trabalhar como consultor, no setor AVAC, por um ano na empresa Eigenmann & Ziemba, em Zurich, na Suíça. A divisão da Sulzer no Brasil precisava de um engenheiro para ajustar algumas instalações e pediu a Tailor para que voltasse a trabalhar com eles. Em julho de 1969 aceitou o cargo de gerente geral da divisão de AVAC no Rio de Janeiro.

Entre 1970 e 1974 lecionou, no curso de Pós-Graduação de Engenharia Mecânica, Campo de Ventilação e Ar Condicionado, da PUC - Pontifícia Universidade Católica, no Rio de Janeiro (RJ). “Meus alunos aprendem 99,999% da matéria nos exemplos práticos. Tudo fica mais fácil na hora que eu aplicar a aula teórica, pois os alunos já saberão do que estou falando”, diz Tailor.

Trabalhou na Embracon, no Rio de Janeiro (RJ), entre 1974 e 1981, na fabricação e instalação de equipamentos especiais para a indústria têxtil, gráfica, sistema de antipoluição de ar, e na fabricação de equipamento para tratamento de efluente das máquinas de impressão da Casa da Moeda do Brasil, no Rio de Janeiro. Tailor desenvolveu nos anos 1989 e 1990, para a Tosi Tropical, localizada naquela época na cidade de Diadema (SP), air handling units, selfcontaineds e chillers.

Em 1991 voltou para a Suíça e trabalhou como consultor até 1999, fazendo projetos em muitos países, como, por exemplo, na empresa Gherzi Engineering, localizada em Zurich (Suíça), especializada em planejamento de fábricas (ao redor do mundo) com financiamento do Banco Mundial, IFC - Corporação Financeira Internacional e entidades privadas. Trabalhou em diversos países para a Gherzi.

Está de volta ao Brasil desde junho de 1999. Sempre atuando como consultor para fabricação, projeto, desenvolvimento de novos produtos e ensinando os colaboradores a entender melhor o segmento AVAC, Sempre responsável pelos projetos de novos produtos, como os air handling units, selfcontaineds especiais e chillers.

Foi representante da Desiccant Rotor International, da Índia, entre os anos de 2001 e 2003, introduzindo o desiccant cooling no Brasil. Trabalhou, de 2000 a 2006 na Construtora Contijo Poeys, em Divinópolis (MG), especializada na construção de prédios residenciais e comerciais. Em 2006 abriu sua própria consultoria, a Ravindra Tailor Ind. e Com. de Ar Condicionado.

Em 2011, durante seis meses, deu treinamento prático para mecânicos de refrigeração na FUNED - Fundação Ezequiel Dias, na cidade de Divinópolis (MG). Na PROJLAB, localizada em Paulínia (SP), é, desde 2012, o responsável pelo desenvolvimento do sistema de exaustão das capelas nos laboratórios. Desde 2012 é, também, consultor técnico da Seimmei, empresa especializada na qualidade do ar interno, situada na cidade de São Bernardo do Campo (SP). É responsável pelo desenvolvimento dos novos produtos, catálogos técnicos, e divulgação de informação técnica dos produtos. É, ainda, consultor da Interclima Indústria de Ar Condicionado, estabelecida na cidade de Taboão da Serra (SP).

Prestando assessoria a empresa Seimmei

Durante vários anos foi conselheiro editorial da Revista Climatização + Refrigeração. Teve inúmeros artigos técnicos publicados. Os temas eram os mais variados, acústica, desiccant cooling, economia de energia com utilização do trocador de calor total tipo rotor entalpia, bomba de calor utilizando energia geotérmica, difusores de ar tipo displacement flow para instalações de conforto e industriais, resfriamento evaporativo, entre outros.  

Projetos

Aos 82 anos não descansa por nada, está sempre em constante aperfeiçoamento. Seus trabalhos, sempre inovadores, foram muito importantes para o mercado. Muitos projetos realizados ao redor do mundo (Europa. Arábia Saudita, Egito, Índia, Sri Lanka, Indonésia, Singapura, Austrália, Argentina, Peru, Brasil) possuem a marca "Ravinda Tailor".

Apresentando, na FEBRAVA 1997, o difusor de alta indução "canhão" e "displacement flow"

 Entre 1967 e 1968, a Sulzer realizou o projeto da instalação de um equipamento de preparação de ar de um avião supersônico Concorde. “Suas dimensões para teste da estrutura eram reais. A simulação de temperatura varia no nível do mar, 15°C, e com velocidade supersônica, atingida em onze minutos, a temperatura sobe a 130°C, ciclo de teste de uma hora com temperatura constante de 130°C. Ao atingir o destino, o avião desacelerava sua velocidade para subsônica e a temperatura cai para -30°C, em 90 segundos. Ao pousar, a temperatura sobe para 15°C em 18 minutos. O modelo de teste não poderia receber, por segurança, seu combustível real, logo, utilizou-se uma mistura não inflamável. O modelo na aeronave era envolvido numa espécie de invólucro isolado termicamente, e que recebia o ar e essas variações de temperaturas através dos dutos. O modelo de teste do avião pesava 40 toneladas e seu combustível 80 toneladas. Os equipamentos (os dutos, trocadores de calor, ventiladores etc.) pesavam em torno de 200 toneladas. Imaginem a capacidade de refrigeração e aquecimento necessário nesse sistema para levar a temperatura da superfície da aeronave entre -30°C a 130°C. Para a movimentação de ar foi necessário a instalação de cinco ventiladores com motor elétrico de 2300 HP, cada um. Os trocadores de calor, para aquecimento, trabalharam com água quente pressurizada de 180°C e, para resfriamento, outro trocador de calor com mistura de água e amônia com temperatura negativa de -62°C. Para fazer as condições intermediárias utilizou-se mais um circuito de água quente a 35°C e mistura de água e amônia a 5°C. A capacidade de refrigeração girava em torno de 20000 TR", explica Tailor.

Desenvolveu, também para a Sulzer, atenuadores de ruído para instalações de ar condicionado e cabine acústica. Em Zurich, na Suíça, em 1968 projetou um hospital subterrâneo com oito salas de cirurgia, para atendimento em caso de guerra nuclear ou armas químicas. O prédio ainda existe.

No final da década de 1960, na Universidade de Zurich, projetou e instalou um sistema de clima variável para testes com duas vacas para avaliar o conforto, comportamento e alterações na qualidade do leite de animais. O sistema era composto por dois cilindros com diâmetros de três metros, comprimento útil de seis metros e antecâmera de 1,5 metros com porta estanque. Possuía esteira para movimentação dos animais, sistema para coleta de fezes e urina, bebedouros e nichos para comida automatizados além de sistema de simulação noite e dia com iluminação artificial. "As condições do ar ambiente simulavam as do Nepal, com altitude de 4000 metros e com temperatura de -20°C e 30% de umidade relativa; bem como as condições da Amazônia, 37°C e com umidade relativa a 80%, ao nível do mar. Todos os equipamentos e a instalação operam de maneira automática", esclarece.

Nos anos de 2005 e 2006, no Shopping Pátio Divinópolis, em Divinópolis (MG), fabricou, na obra, equipamentos de ar condicionado tipo selfcontaineds condensação a água, caixas de ventilação e projetou e instalou o sistema de proteção contra incêndio (sprinkler e hidrante). "Treinei o pessoal no local para fabricação e montagem, foi um grande desafio, mas eu não tenho medo, sou corajoso", diz.

Em 2003 apresentou um equipamento de ar condicionado sem compressor e, em 2005, apresentou uma unidade de ar condicionado com uma imagem, na frente, da cidade de Ouro Preto (MG). “Era uma inovação. Esse equipamento foi premiado na Febrava 2005. O pessoal da LG fez o mesmo e colocou um vidro na frente para poder colocar tela. Eu, no refeitório da Seimmei, estou produzindo um equipamento de ar condicionado que terá na frente uma televisão Led. O ar condicionado fica escondido atrás da televisão. O ventilador com acionamento direto e com motor integrado. Meu desejo no futuro é que o equipamento de ar condicionado não saia da fábrica incompleto, somente com serpentina, ventilador, bandeja e filtro. O equipamento tem que sair completo, com sistema de controle, dreno, parte elétrica, tudo regulado. Montar no local, ligar os pontos de água, dreno, elétricos e pronto para o funcionamento”, acredita Tailor.

Nos anos de 2009 e 2010 participou do desenvolvimento, para a empresa BerlinerLuft, localizada na cidade de Bexbach, na Alemanha, do Air Handling Unit Serie EUROCOND.

Apresentando, na FEBRAVA 2003, equipamento "desiccant cooling" realizado em parceria com a Trox, Microblau e OTAM

O futuro

"Eu não desejo ficar tomando cerveja, descansando e perdendo tempo, que é valioso. Quero continuar ensinando, pesquisando e aprendendo mais. Durante os anos que tive o privilégio de ensinar a disciplina sobre AVAC, recebi muitas mensagens dos alunos elogiando e agradecendo por ter entrado no segmento. Eu quero novamente lecionar, ser professor", enfatiza.

Há muitos anos vem desenvolvendo um trabalho cuja intenção é impedir a formação de furacões no mar. Ele explica como funciona: "Quando a temperatura do mar, próximo à linha do Equador (mais precisamente de 5° a 10° de latitude, próximo à costa oeste da África) atinge a temperatura de 26,5°C, por incidência solar, a evaporação da água aumenta rapidamente. Através da observação de satélites temos a possibilidade de localizar esses pontos críticos no oceano. No início, os pontos críticos não possuem área maior que aproximadamente dois quilômetros de diâmetro, o ar quente com temperatura saturada sobe, que se esfria rapidamente conforme ganha altitude, gerando a condensação deste ar saturado. Conforme ocorre a subida de mais ar úmido, aumenta a condensação de ar no centro. O ar na periferia, que é mais quente, recircula e ganha movimento rotativo por conta das correntes de ar, formando uma área vazia no centro onde desce o ar. Esse processo não se interrompe ganhando mais energia por condensação e aumentando a rotação. A intenção desse trabalho  é impedir essa massa de ar úmido se elevar. Isso é possível desumidificando e resfriando o ar, quase que continuamente, nessa região. Um lavador de ar com liquido resfriado abaixo do ponto de orvalho, ajuda a resfriar e desumidificar o ar quente e úmido que está ganhando altura, impedindo esse distúrbio tropical. Navios com largura entre 50 e 80 metros e comprimento de 150 metros podem receber bicos pulverizados para ejeção de água do mar resfriado abaixo do ponto de orvalho, através dos chillers de absorção com calor rejeitado de diversas fontes possíveis. Com alguns navios é possível abranger boa parte de área, interrompendo a formação de ar quente que sobe. Estou procurando uma universidade para preparar um laboratório de teste e pesquisar o assunto na prática. Tenho muito que fazer ainda. Muitos me chamarão de louco, mas isso faz parte de quem convive com ciências e pesquisa", defende Tailor.

Mas há projetos para a indústria. Caso de uma caixa pleno desmontável para difusores e grelhas; outro é para diminuir o custo das soluções com rotores dessecantes que são importados. Tailor quer usar materiais nacionais, gerando grande economia. O trocador de calor para recuperação do calor sensível e latente (rotor entálpico) é outro projeto em andamento. Ele possui soluções em desenvolvimento para reduzir os custos usando material nacional.

Na área de qualidade do ar está desenvolvendo carvão ativado com diversos tipos de impregnação na superfície, o que ajudará no tratamento de ar. Em relação à climatização para shoppings, Tailor tem desenvolvido equipamentos de condensação a água (para mall e lojas) com baixo custo. Um lavador de ar utilizando solução dessecante para resfriamento e desumidificação de ar é outro, dentre dezenas de projetos em andamento.

“Para o nosso país ir para frente, em relação ao setor, cada empresa precisa ter no mínimo um aprendiz. Vamos investir em escolas técnicas. Precisamos de muitas Escolas SENAI espalhadas pelo Brasil. Este é um modelo que a Alemanha, a Áustria e a Suíça pregam. Lá funciona. A mão de obra é muito boa, excelente. Sabem trabalhar na prática e dominam também a teoria. Sabem o que estão fazendo”, enfatiza. 

Charles Godini - charles@nteditorial.com.br 

Compartilhe essa matéria !
Deixe seu Comentário !


Seu nome:
 
Seu e-mail:
 
Mensagem:




Comentários