Ar condicionado
Museu do Amanhã
Projeto arquitetônico leva a assinatura do espanhol Santiago Calatrava
postado em: 07/10/2016 11:58 h atualizado em: 01/11/2016 14:01 h
Museu do Amanhã
(crédito: Ambient Air)

Localizado no Rio de Janeiro (RJ), o Museu do Amanhã foi inaugurado em 17 de dezembro de 2015. O empreendimento foi erguido no Porto Maravilha e já faz parte do cenário carioca. O projeto arquitetônico leva a assinatura do espanhol Santiago Calatrava. Cercado por espelhos d’água, jardim, ciclovia e espaço para lazer, o edifício ocupa 15 mil m², numa área total de 34,6 mil m². Nos bastidores, tecnologias de última geração, alinhadas aos padrões de certificação LEED, garantem que o prédio funcione respeitando o meio ambiente. Outro destaque é a cobertura móvel do edifício. Grandes estruturas de aço, que ao longo do dia se movimentam como asas para acompanhar o posicionamento do sol, servem de base para as placas de captação de energia solar.

No sistema de climatização foram utilizados chillers com condensação a água, utilizando trocadores de placa de titânio e água do mar na condensação, sendo um chiller de 500 TR tipo parafuso tri-rotor com IPLV de até 0,29 Kw/TR e dois chillers de 250 TR tipo parafuso. O sistema de água gelada é configurado com circuito primário (4 bombas), secundário (3 bombas) e condensação (4 bombas), todas com vazão variável de água. A configuração adotada no projeto proporciona condições únicas de operação, pois mesmo em dias de elevadas temperaturas externas, típicas do Rio de Janeiro, é possível proporcionar condições de operação com níveis de eficiência energética alcançados somente em climas mais frios.

Em relação aos sistemas de ventilação mecânica e/ou exaustão foram utilizados sistemas de recuperação de energia. Os recuperadores de calor são do tipo Drycool, que possuem roda de desumidificação, serpentina de água gelada e serpentina de expansão direta. As áreas administrativas possuem sistema de vazão variável com o uso de caixas de VAV e difusores lineares ou cassetes. Nas áreas do pavimento 1 (circulação de público e auditório) foi utilizada insuflação pelo piso, com difusores redondos e vazão constante. Nas áreas de exposição, foram utilizados difusores lineares e canhões de longo alcance, todos instalados nos tetos com grande pé direito. A automação permite que todas as ações necessárias para uma correta operação sejam ser executadas desde a sala de controle, além de emitir alertas sobre a necessidade de manutenção corretiva em todos os equipamentos instalados.

A maior dificuldade na execução desse empreendimento foi a compatibilização das instalações com a arquitetura, pois, praticamente todas as paredes são de concreto e com muitas curvaturas e de lajes protendidas. O acesso dos equipamentos até seus locais de instalação também foi outro desafio, sendo necessário introduzi-los nos locais durante as concretagens. Depois de concretado, não seria mais possível entrar com os equipamentos nas galerias técnicas.

Ficha Técnica:  

Empreendimento: Museu do Amanhã

Projetista: Consult Ar Engenharia Ltda

Instalador: Ambient Air Ar Condicionado Ltda

Chiller: Midea Carrier

Condicionadores: Midea Carrier

Válvulas e controles: Belimo

Válvulas de balanceamento: Belimo

Dutos: Ambient Air

Dutos flexíveis: Multivac

Isolamento de rede hidraúlica: Armacell

Ventiladores: Berliner Luft

Unidades de tratamento de ar: Munters

Difusão: Trox e Tropical

Compartilhe essa matéria !
Deixe seu Comentário !


Seu nome:
 
Seu e-mail:
 
Mensagem:




Comentários