Ar condicionado
Equipamentos e componentes podem contribuir para o comissionamento
Ventiladores, conversores e redes de dutos podem impactar nos resultados
postado em: 30/01/2017 16:16 h atualizado em: 09/02/2017 13:39 h

Ainda que lentamente o comissionamento vai se impondo enquanto uma necessidade para o bom desempenho das edificações, corrigindo falhas de projeto ou execução. No entanto, não há procedimento que consiga superar equipamentos ou componentes de qualidade duvidosa.

“O processo de comissionamento é o ponto mais importante dentre todas as etapas de implantação de um sistema. Com um comissionamento bastante rigoroso e realizado dentro de protocolos determinados, as eventuais falhas de projeto ou de execução são efetivamente detectadas e corrigidas. Acredito que é justamente nesta etapa que os problemas realmente aparecem e que são, então, tratados com a devida atenção”, afirma Renato dos Santos, da Brainset.

Rafael Lopes da Costa, gerente de mercado da ebm-papst, corrobora a opinião, pelo menos em relação aos ventiladores. “Em muitos projetos os equipamentos são dimensionados de acordo com as especificações de projeto, as quais podem sofrer alterações durante o andamento da obra, sem prévio aviso, o que pode interferir no desempenho do equipamento e consequentemente dos ventiladores. Ventiladores são selecionados considerando-se a vazão desejada com base na perda de carga existente no sistema; com a alteração das condições de operação é possível que se faça necessário o redimensionamento dos ventiladores para que estes possam operar dentro da faixa ideal, aumentando sua vida útil e evitando problemas e custos de manutenção”.

Rafael Lopes da Costa

Da mesma forma, Tommaso Marino, gerente de serviços da Danfoss, lembra que comissionamento “é o processo no qual um equipamento ou sistema que acabou de ser instalado é testado para verificar se as suas funções estão sendo realizadas de acordo com o projeto, desenho e especificações. Esse processo pode com certeza indicar possíveis falhas de projeto e de execução que resultarão em prejuízo ao desempenho dos conversores de frequência”. Lembrando que a qualidade do conversor de frequência pode interferir no processo de comissionamento se apresentar falhas constantes, difícil diagnóstico e limitações de ajustes. “Consequentemente, haverá atraso no comissionamento e no “aceite técnico” do sistema de climatização pelo cliente final”, conclui Marino.

Santos lembra, ainda, que não somente a qualidade dos componentes, mas a qualidade do serviço envolvido influi no comissionamento. “Componentes que apresentam muitos problemas ou defeitos recorrentes, bem como serviços mal executados, acabam sendo uma barreira para o avanço do comissionamento. Um processo de comissionamento que fica "travando" constantemente, por defeito de produtos ou por problemas em serviços mal executados, é um transtorno para quem está envolvido e na maioria das vezes gera despesas e alocação de recursos não previstos inicialmente”.

Neste sentido, Costa alerta para a importância dos ventiladores. “Em geral a seleção de um ventilador é realizada com base nos dados técnicos oferecidos. Se a qualidade do ventilador não for adequada, ou se os dados informados pelo fabricante não atenderem o ponto de operação, em termos de vazão e perda de carga, o sistema como um todo terá sua operação comprometida; neste caso o risco pode levar ao redimensionamento de todo o equipamento, ou, observando por outra perspectiva, levar o projetista e o cliente final a superdimensionarem o equipamento por falta de confiança nas informações referentes à sua capacidade”.

Ravindra Tailor, da Seimmei, diz que o “comissionamento deve atender as exigências de conforto para o usuário de edifício. Além da temperatura, umidade relativa, grau de filtragem do ar no ambiente, nível de ruído, e velocidade de ar na altura de 1.80 m acima do nível do piso, são pontos críticos para condições de conforto. Taxa de ar exterior adequada para manter a sala pressurizada e o nível de CO2 controlado também é um assunto importante. O relatório de comissionamento indicando os parâmetros de ajuste dos componentes de distribuição ajuda o fabricante a avaliar as possíveis falhas do projeto”.

Ravindra Tailor

Tailor lista outros pontos com influência no desempenho da instalação. “Pressão estática no difusor ou no controlador VAV acima do valor indicado no catálogo, obrigando a operação do componente com registro mais fechado que o normal, gerando assim nível de ruído maior. Sem fechar o registro o componente opera com vazão de ar maior gerando condições de desconforto para o usuário e custo operacional maior”, lembra.

Distribuição do ar 

Robert van Hoorn, diretor comercial da Multivac, lembra que a qualidade do ar interior “normalmente é associada a problemas causados por microorganismos em sistemas de climatização. Mas o assunto QAI é bem mais abrangente e envolve também fatores como temperatura, umidade, velocidade do ar e conforto dos usuários, e é nesta parte que os sistemas dutados levam uma grande vantagem em relação aos sistemas de expansão direta (split / aparelho de janela). Um sistema dutado faz uma melhor distribuição do ar no ambiente deixando o condicionamento mais uniforme, evitando os desconfortos dos jatos de ar frio (por exemplo, aquela mesa no restaurante, debaixo do ar, onde ninguém quer sentar). Uma outra vantagem do sistema dutado é a possibilidade de colocar uma mistura maior de ar externo melhorando a renovação de ar no ambiente, evitando altas taxas de CO2 ou outros contaminantes”.

Robert van Hoorn

Para o diretor da Multivac, “um duto com vazamento maior que o previsto em projeto acaba não entregando os volumes de ar previsto. Se a rede de dutos vazar mais que a classe de vazamento previsto, não há possibilidade nenhuma de fazer o TAB e concluir o trabalho de comissionamento sem corrigir os vazamentos excessivos. A Multivac lançou, em 2008, o sistema MPU, dutos fabricados a partir de painéis pré-isolados, que permite, com ferramentas simples e uma mão de obra qualificada, construir uma rede de dutos que atende a classe C (DW 144) ou classe 4 (NBR 16401). Outra vantagem do sistema MPU é que as peças podem ser produzidas em campo e, em caso de reformas, podem ser adaptadas com facilidade”.

“O comissionamento tem por finalidade acompanhar e certificar se as premissas, desde o projeto à construção dos sistemas, foram atendidas. No que se refere à distribuição de ar, aspectos físicos como filtragem, vazões, umidade, pressões, ruídos sonoros, que resultam na qualidade e parâmetros do condicionamento dos ambientes, são acompanhados em todas as fases e finalmente inspecionados. Obras com comissionamento planejado, influenciam não apenas na seleção de equipamentos e componentes, considerando-se eficiência e eficácia destes, mas também se a construção, montagem e serviços satisfazem os requisitos necessários”, afirma Mauricio Vale, diretor da Refrin.

Maurício Vale

“Para que as condições de projeto sejam atingidas é fundamental a distribuição do ar através de uma rede de dutos bem dimensionada e executada. Em função dos layouts das edificações, muitas vezes os equipamentos de climatização são acomodados em casas de máquinas distantes dos ambientes que devem ser beneficiados. A rede de dutos tem a função de levar o ar tratado até o ambiente e retorná-lo aos equipamentos para novo tratamento. Desta forma, os dutos têm papel importante numa instalação para a qualidade do ar interior (IAQ) e, quando bem projetados e instalados, evitam o desperdício de energia com vazamentos, altas velocidades, ruído excessivo, perda de carga elevada e de condutividade térmica. O painel  ALU-PIR, utilizado na fabricação dos dutos, é feito com espuma PIR  e revestido em ambos os lados com alumínio gofrado. Sua construção tipo sandwich garante uma uniformidade no isolamento térmico e excelente estanqueidade”, destaca Dalton Rothen, diretor da Deck Representações.

Neste sentido, o diretor da Refrin diz que “nós engenheiros, nos esforçamos muito para desenvolver ou mesmo aplicar equipamentos e soluções que proporcionem ganhos de eficiência e rendimento de 2% ou 3% em um sistema como um todo. Contudo, esquecemos que uma rede de duto pré-fabricada, construída sob critérios de qualidade e uso de equipamentos apropriados, evita vazamentos de até 30% das vazões de ar do mesmo sistema, além de interferir nos resultados do comissionamento de ar, evitando desperdícios com as respectivas ações corretivas, quando possíveis. Os componentes de difusão irão interferir no resultado de comissionamento, já que velocidade, alcance e ajuste de vazão influenciam no condicionamento e diretamente no conforto desejado para cada ambiente”.

Rothen esclarece que o TAB (teste, ajuste e balanceamento) “é uma das etapas do comissionamento, quando os dutos são testados (teste de estanqueidade) para verificar se estão de acordo com as normas vigentes e as vazões de ar são devidamente medidas e balanceadas. O volume de ar insuflado pelos equipamentos de climatização deve chegar aos ambientes que serão beneficiados. Nesse percurso podem ocorrer muitas perdas. Quanto maior a estanqueidade dos dutos, menor serão as perdas de ar e também possíveis infiltrações serão evitadas, preservando-se a qualidade do ar. Desta forma o duto estanque contribui em muito para o balanceamento das instalações e seu consequente comissionamento”. 

Finalmente, Dilson Carreira, diretor da Powermatic, define a função dos dutos na qualidade do ar interior e no conforto dos usuários. “Além de transportar, os dutos têm a função de “proteger” o ar que circula dentro deles das condições externas a fim de evitar sua perda e / ou contaminação. Isso só se consegue seguindo padrões técnicos de construção e selagem para evitar infiltrações não previstas de ar contaminado e dotar os dutos de ar de recursos para o monitoramento e eventual limpeza das superfícies internas”.

Dilson Carreira

Para Carreira o comissionamento, quando iniciado na fase de projeto, contribui “para sugerir melhorias, acompanhando a execução e as eventuais alterações para permitir que os trabalhos de TAB ocorram de forma rápida e econômica logo após o startup da instalação.  Consequentemente, os dutos projetados com maior eficiência e fabricados e montados com competência, trarão os resultados esperados. Dutos bem construídos e montados permitem que as condições exigidas no projeto sejam mais facilmente atingidas, evitando retrabalhos que geram custo e que podem comprometer o prazo de entrega da instalação”.

“Um duto só pode trazer o resultado necessário de estanqueidade caso seja fabricado de forma padronizada (industrializada) e de acordo com as normas vigentes no Brasil, ou seja, a NBR 16401. Só assim se pode assegurar que a qualidade de selagem e construção mecânica dos dutos de ar estejam em conformidade com os requisitos do projeto, e isso já deve ter sido feito antes do startup e balanceamento”, conclui Carreira. 

Redação

Compartilhe essa matéria !
Deixe seu Comentário !


Seu nome:
 
Seu e-mail:
 
Mensagem:




Comentários