Portal EA


Normas para redução de carga
Organismos internacionais dedicam cada vez mais atenção à estratégia

A redução da carga de refrigerante torna-se uma consideração cada vez mais importante na concepção de sistemas de ar condicionado. Existem várias razões para isso e estes dependem principalmente dos tipos de refrigerante.

Redução de custos: Uma carga de refrigerante menor significa menos gasto com refrigerante, o que provavelmente será de maior importância, uma vez que as novas substâncias apresentam custos muito mais elevados. Além disso, uma vez que uma carga mais baixa corresponde frequentemente a volumes de componentes menores, está implícita a menor despesa com materiais.

Redução do impacto ambiental: Uma carga menor corresponde a um potencial menor de impacto (em termos de massa × ODP ou massa × GWP). Além disso, a degradação do desempenho do sistema resultante de uma perda de refrigerante é suscetível de ser observada mais cedo, e medidas corretivas podem ser tomadas para minimizar o vazamento adicional.

Redução de risco: Para todos os refrigerantes, mas principalmente para as substâncias inflamáveis, uma menor quantidade de refrigerante equivale a um menor risco. Assim, em situações onde é desejável reduzir o risco associado a um refrigerante particular, uma redução na carga pode trazer a interpretação do risco para um nível mais aceitável. Além disso, certas normas de segurança impõem limites de carga para refrigerantes em situações diferentes (ver Anexo ao Capítulo 2) e através de um processo de redução de carga, a extensão de utilização de determinado refrigerante numa situação particular pode ser ampliada.

Uma carga de refrigerante reduzida pode ter efeitos positivos e negativos na eficiência do sistema (para uma dada capacidade) (Poggia et al., 2008). Além disso, uma desvantagem de reduzir o tamanho de carga é que o desempenho dos sistemas tende a ser mais sensível a fugas, isto é, pode ocorrer uma maior degradação da eficiência e capacidade para a mesma quantidade de refrigerante perdido. É importante realizar uma redução de carga compatível com a otimização do desempenho do sistema, considerando também o impacto no funcionamento em modo reverso e no degelo (se relevante).

Pesquisas consideráveis ??têm e continuam sendo conduzidas na redução dos níveis de carga de refrigerante (Fernado e Lundquist, 2005). A maioria dos grandes fabricantes de sistemas busca ativamente desenvolvimentos na redução de cargas e o IIR realiza conferências regulares sobre o tema.

Na realização da redução de carga, a consideração das quantidades típicas de refrigerante dentro de diferentes componentes pode ser útil para ajudar a identificar áreas-alvo; condensadores, compressores, evaporadores e linhas de líquidos devem ser observados. As estratégias incluem o uso de tocadores de calor de mini ou microcanais, condensadores evaporativos, trocadores de calor de tubo plano e / ou tubagens, diâmetros menores nas tubulações, seleção de óleo para baixa solubilidade, compressores de pequeno volume interno e seleção cuidadosa de receptores e acumuladores de líquidos (GIZ, 2010).

(Texto do capitulo 7 para equipamentos compactos de ar condicionado do último relatório UNEP RTOC (http://ozone.unep.org/en/assessment-panels/technology-and-economic-assessment-panel), coordenado pelo professor Roberto de Aguiar Peixoto.